História do Colégio

O Educandário Nossa Senhora do Carmo nasceu de um sonho da menina Arionor de Albuquerque que desde criança brincava de dar aulas para sua irmã e suas bonecas, utilizando uma lousa de tábua feita pelo seu pai, onde escrevia os textos com pedaço de tijolo. Arionor nasceu em 07 de maio de 1942. Realizou seus estudos de ensino primário atual (Ensino Fundamental) na E. E. Silva Jardim, o ginásio na E. E. Pedro Alexandrino, o magistério na escola Prudente de Moraes, o curso superior de pedagogia e especialização em Administração Escolar na Faculdade Geraldo Rezende no município de Suzano.

A Professora Arionor residia na Rua São Nestor, 39 fundos, atualmente nº 309, com seus pais Ariovaldo de Albuquerque e Leonor de Albuquerque. Família muito humilde, Ariovaldo era Guarda Civil e sua esposa costurava roupas para ajudar no orçamento familiar. Em 1960, o Educandário iniciou suas atividades na então residência da família Albuquerque, situada na avenida Mazzei 886, que ali já residiam desde a década de 30.

As atividades deram início com a Educação Infantil, no ano de 1960, nesta época, a escola contava com apenas uma sala de aula. A professora Arionor colocou o nome de Educandário Nossa Senhora do Carmo devido ao fato de ser devota da santa e pertencer a Ordem Terceira do Carmo.
Na década de 60, o Educandário utiliza somente sua logomarca em seus uniformes. Anteriormente a implantação, funcionava no Estabelecimento o então chamado curso Pré-Primário e também o Curso Primário.
Já na década de 80 foram implantadas gradativamente as séries subseqüentes, isto é 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries; foram homologadas as alterações efetuadas no PGE através da apresentação do Plano de Organização Didática e Administrativa a lei federal n.7044/82, nos termos do art. 11 da Deliberação CEE 29/82, conforme D.O. de 20/08/85, pág.7. E para comportar a demanda foi construído um prédio de 2 andares.

Conforme depoimento de Itamir, ele nos conta sua passagem pelo Educandário no ano de 1960 a 1966. A foto a cima no curso de pré-primário passando para o primeiro ano em 15/12/1966.E a foto de seu primeiro diploma recebido da Diretora Arionor de Albuquerque.

Em 1966, a diretora Dnª Arionor de Albuquerque contraiu matrimônio com o Sr. Gilberto Domingues de Lima, que pertencia ao corpo da extinta guarda-civil do estado de São Paulo, a partir de então Sr. Gilberto passou a ter um papel muito importante ao lado de sua esposa na direção da escola.
Desde então o Sr. Gilberto passou a ter muita importância no quadro de Direção da escola. Participando de reuniões da então 4ª Delegacia de Ensino da Capital pertencente a extinta DRECAP-1. Onde eram decididos pontos a serem realizados durante os anos letivos, como todo o trabalho burocrático junto aos órgãos públicos ficou a cargo do Sr. Gilberto. Quando o Sr. Gilberto não estava de serviço na Guarda Civil e depois da extinção da Guarda Civil veio a pertencer ao corpo da Polícia Militar do Estado de São Paulo, o Sr Gilberto dedicava seu tempo a ajudar sua esposa Arionor na administração da escola.

Com o falecimento de Sr. Pedro de Albuquerque e Dna América Collalto de Albuquerque, ele em 1948 e ela em 1970, o imóvel entrou em processo de inventário, e seria vendido, de acordo com a Lei, em favor de seis herdeiros, filhos legítimos do casal que falecera. Isto não chegou a acontecer, porque um dos seus herdeiros, dona Audinéa de Albuquerque Griese e seu esposo Ewaldo Adolpho Griese, efetuaram a compra das partes, e cedeu à sua sobrinha Sra. Arionor de Albuquerque, para que o Educandário pudesse continuar normalmente em atividade.




Quando do início das atividades, a professora Arionor não tinha o curso de pedagogia, sendo assim limitava sua autonomia na administração escolar.
Para que pudesse ter responsabilidade em todos atos pedagógicos do Educandário Nossa Senhora do Carmo, no ano de 1967 ela se formou no curso de pedagogia na Faculdade Geraldo Rezende no município de Suzano.



Em 1970, atendendo a solicitação dos pais dos alunos, foi implantado gradualmente o curso de 1ª a 4ª séries do 1º grau,(hoje Ensino Fundamental), o que exigiu a ampliação do espaço físico, com a construção de novas salas de aula. Autorizado a funcionar pela antiga Coordenadoria de Ensino Básico Normal, através do Ato n.4289, Registro n.2623, despacho de 17/04170 (Seção de Registros) Ensino Particular e Municipal. PGE homologado processo n.6624173, do dia 15 de janeiro de 1974. Onde passou a utilizar um novo símbolo. Durante um período da década de 70, a diretora e professora Arionor, além de dar aula nos períodos (manhã e tarde) fazia transporte escolar, buscando e entregando alunos. Com o crescimento da escola, passou a contratar motoristas para realizar o transporte dos alunos.

Na década de 70, a então aluna da Professora Arionor de Albuquerque Lima, a Jovem Rosana Magalhães, hoje professora do Educandário comenta sobre sua passagem como aluna (depoimento no ano de 2003):
"Eu , Rosana Magalhães Brunetti estudei no Educandário de 1973 à 1977 cursando a Pré-escola até a 4ª série, pois naquela época só havia o curso primário. Minha primeira professora foi a senhora Arionor de Albuquerque Lima, uma pessoa maravilhosa e muito humana, na qual me deu a oportunidade do meu primeiro emprego.
Em 1.983 comecei a trabalhar no Educandário como auxiliar de classe e hoje depois de 23 anos, aqui continuo com muita satisfação e orgulho, pois aqui somos uma família. Hoje minhas filhas também estudam no Educandário. Renata de 16 anos, cursando a 2ª ano do Ensino Médio, estuda no Educandário, desde os 3 anos e meio e Rayne de 12 anos, cursando a 7ª série, desde os 4 anos. Sei que sou suspeita em falar, mas a educação informatizada que o Educandário oferece é uma maneira muita eficaz de estarmos ensinado, adquirindo conhecimentos e interagindo com a realidade do aluno."


Já na década de 80 foram implantadas gradativamente as séries subseqüentes, isto é 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries; foram homologadas as alterações efetuadas no PGE através da apresentação do Plano de Organização Didática e Administrativa a lei federal n.7044/82, nos termos do art. 11 da Deliberação CEE 29/82, conforme D.O. de 20/08/85, pág.7. E para comportar a demanda foi construído um prédio de 2 andares.

No ano de 1982 o Educandário passou a adotar o símbolo ao lado. Que tinha como significado a fé 'cruz' a educação 'livro', a riqueza do Brasil 'café' e a vitória 'tocha'. As mudanças do símbolo foi realizada para atender a realidade da época. Que foi uma realidade de expansão e progresso, onde Sra Arionor e Sr Gilberto depositavam muita credibilidade no Brasil, na educação e com muita fé acreditavam na vitória.

E foi na década de 80 que iniciou a produção do jornal da escola denominado "O Arauto" que significa pregoeiro, mensageiro..., o jornal era diagramado pelo Sr Gilberto, e produzido na própria escola. E trazia notícias de interesse da comunidade escolar. Ao lado capa da primeira edição.

No dia 4 de dezembro de 1993, os diretores do E.N.S.C. (atualmente Colégio ALBUQUERQUE), Sra. Arionor de Albuquerque Lima e Sr. Gilberto Domingues de Lima deixam de estar presentes em nosso meio, devido ao falecimento de ambos em acidente automobilístico na Rodovia Fernão Dias. A partir de então, assumiu a direção do Educandário, o seu filho Evaldo de Albuquerque Lima acompanhado de sua esposa Eliane Ferreira Righete de Albuquerque Lima. Eliane iniciou sua carreira no Educandário como professora de Educação Infantil no ano de 1985 onde ficou como professora até 1993 quando em 1994 passou a exercer o cargo de diretora.

Eliane a partir deste período teve muita importância na escola, estando a frente das decisões e participando ativamente de todos os degraus que a escola veio a galgar.

Em 1997, teve inicio o projeto 'Educação Informatizada' escrito pelo diretor e professor Evaldo de Albuquerque Lima, (devidamente registrado na Biblioteca Nacional),sob o nº 127.549, livro: 199, folha: 343 e sua atualização registrada sob o nº 197388, livro 340 e folha, 47. Onde todas as salas de aulas são informatizadas, além de um amplo laboratório de informática.

Preocupado em oferecer a melhor qualidade educacional, procurando conhecer os mais desenvolvidos métodos educacionais em grandes centros de desenvolvimento pedagógico, no ano de 1998 o diretor Evaldo de Albuquerque Lima participou do IX mergulho Tecnológico, com os maiores especialistas do mundo em educação onde teve início em São Paulo na USP (Universidade de São Paulo), dando continuidade na SUNY (Universidade do Estado de Nova Iorque).

Ainda em 1998 o diretor Evaldo de Albuquerque Lima se reune com o então Ministro da Educação Dr. Paulo Renato de Souza para discutirem sobre os rumos da educação no Brasil. Onde comentou o que as mudanças da lei 9394/96, proporcionou ao ensino no Brasil.

No dia 05 de Fevereiro de 2001, o diretor Evaldo participou do Encuentro pela Unidad de Los Educadores Latino Americanos no Palacio de Convenciones de La Habana, CUBA onde lhe foi conferido o certificado ao lado. Ali se encontraram mais cinco mil pessoas com o propósito em discutir sobre a educação e o desenvolvimento da educação latino americana.


Desde o início do funcionamento da escola até 1989, o sinal do início e término do período de aula era por intermédio de um sino de bronze que era soado pela Srª Angelina que teve grande participação na estória do Educandário acompanhando a passagem de muitas crianças e jovens durante seu período na escola. Até o ano de 2001 quando se afastou devido a problemas de saúde, falecendo em 09/08/2003.

Com o propósito de manifestar o espírito da paz nos alunos, em outubro de 2001 o Educandário promoveu em sua quadra um encontro ecumênico denominado "Manifesto pela Paz" com a presença de algumas autoridades religiosas. Padre Julio Lancelotti representando a igreja católica, pastor Fernando de Carvalho da igreja evangélica, o Sheik - Salaramed Armad Slaiman da religião Islâmica e um Kardecista representando a doutrina espírita. Durante o manifesto os alunos, pais e convidados vestiam camiseta com a estampa do Manifesto, que teve cobertura da rede tv, tv cultura e foi comunicado pela CBN e jornais do bairro.

Com o passar dos anos, no ano de 2005 sentiu-se a necessidade de uma mudança no símbolo do Educandário, uma mudança que o tornasse mais moderno para acompanhar a evolução da escola. Onde o símbolo tivesse um significado que se encontrasse com a realidade dos dias atuais e com a realidade da escola. Foram colocados cinco símbolos novos para serem votados pelos alunos. O símbolo escolhido tem uma circunferência que tem como significado o mundo globalizado, a figura humana ao centro da circunferência, tem o significado do indivíduo inserido neste mundo globalizado como também o respeito a individualidade de cada um.


A escola sempre realizou trabalhos junto as comunidades mais carentes, arrecadando alimentos, brinquedos, roupas e doando material didático para alfabetização de adultos. Em dezembro de 2005, a escola proporcionou o natal das crianças carentes, onde levou as crianças da favela até a escola e o "Papai Noel" entregou brinquedos às crianças e as crianças participaram das festividades natalinas. A escola pelo seu espírito empreendedor, tendo como objetivo ascender o espírito de solidariedade nos alunos recebeu o selo faça parte de 2005 do governo federal.

No ano de 2006, o Educandário fez 46 anos de funcionamento, sempre com muita luta e dedicação para o desenvolvimento da educação e proporcionar aos seus alunos um ensino de qualidade. Sempre dando importância aos principio morais e éticos que sua fundadora e seu esposo deixaram como exemplo. Como reconhecimento do empenho durante anos e para homenagear sua fundadora, na semana do dia 16 a 20 de outubro do mesmo ano houve uma homenagem e mudança do nome da escola que passou a chamar-se Colégio ALBUQUERQUE.

A placa em homenagem a fundadora da escola foi fixada na parede entre a diretoria e secretaria e está descrito o seguinte:

" No ano de 1960, pelo sonho da jovem Arionor de Albuquerque, o Educandário Nossa Senhora do Carmo iniciou suas atividades. Pelo empenho e amor à educação. E com as bênçãos de Deus e tendo todo apoio de seu esposo Gilberto Domingues Lima, deu-se início, no ano de 1970, às atividades de primeira a quarta séries do primeiro grau (ensino fundamental). Naquela época, havia apenas uma sala de educação infantil. O crescimento da escola tornou-se uma consequência de todo trabalho. O reconhecimento de tanta dedicação levou os pais de alunos a pedirem a abertura da quinta a oitava séries do primeiro grau (ensino fundamental) que aconteceu no ano de 1982. No dia 4 de dezembro de 1993, a Diretora Arionor de Albuquerque Lima e seu esposo Gilberto Domingues de Lima deixam o nosso meio para descansarem junto a Deus. O educandário continuou com suas atividades e no ano de 1998 iniciou as atividades do ensino médio. Acreditando que as pessoas são lembradas pelas suas atitudes e pelo que elas passam a representar, em gratidão que tenho á Diretora Professora Arionor de Albuquerque Lima, amiga, companheira e mãe, em sua homenagem, o Educandário Nossa Senhora do Carmo, a partir da data abaixo, passa a chamar-se COLÉGIO ALBUQUERQUE".

Após a homenagem o Educandário Nossa Senhora do Carmo passou a chamar-se Colégio ALBUQUERQUE. Com esta mudança o símbolo da escola recebeu a alteração do nome, mas o significado continua o mesmo.

Para demonstrar a tradição de anos dedicado à educação, foi idealizado uma régua do tempo que demonstra a mudança dos símbolos da escola com o passar dos anos. Esta régua demonstra todos os símbolos desde 1960 até a última alteração no ano de 2006.

A escola além do know hall em educação, no bairro também é muito tradicional as festas juninas que atravessaram décadas.

Desde seu início a preocupação em passar a tradição desta festa nacional e torna-la parte dos anseios de nossos alunos foi uma preocupação e continua sendo.

As festas juninas sempre reuniram alunos, professores, pais de alunos, parentes dos alunos, amigos e moradores do bairro.

A festa junina movimenta a escola como um todo, desde a sua preparação até o dia da esperada festa.

Os ensaios das danças, enfeites, arrecadação de prendas são realizados pelos alunos.

O teatro sempre foi realizado pela turma formanda da escola. Iniciando pelos alunos da educação infantil e nos dias de hoje encenado pelos alunos do ensino médio.